Carregando...

Já pensou se a publicidade fosse universal?

Somos uma consultoria que vai te ajudar a transformar o mundo da comunicação e pensá-lo de uma maneira acessível e inclusiva
Vamos juntos!

O que fazemos?

PESQUISA COM O PÚBLICO – PESSOA COM DEFICIÊNCIA

Pesquisas qualitativas: opinião, comportamento do usuário, hábitos de uso de um produto, dificuldades e especificidades; questões adaptadas para o que o seu projeto necessita.

ACESSIBILIDADE DE CONTEÚDO DIGITAL

Serviço de adaptação de conteúdo das redes sociais seguindo os processos e diretrizes corretos, feitos por uma equipe profissional e especializada. Seu conteúdo acessível com tranquilidade e qualidade.

Palestras

Um encontro para mostrar para sua empresa (ou pra sua equipe) um pouco da diversidade com ênfase no público PCD. É com informação que a gente começa a desconstruir esteriótipos e possíveis preconceitos.

Projetos Especiais

Trabalhando juntos desde o momento zero! Se sua empresa tem uma ideia e quer fazer algo para pessoas com deficiência mas não sabe por onde começar, é aqui que entra a Sondery. Vamos participar, acompanhar e dar a consultoria necessária em todo o projeto.

Workshop de conteúdo acessível

Nesse workshop nós abordamos temas e exercícios necessários para capacitar as equipes e produtores de conteúdo. Apresentamos as noções básicas dos recursos de acessibilidade existentes, suas diferenças, semelhanças e complexidades. Um aprofundamento maior no recurso de áudio-descrição, suas diretrizes e boas práticas. Sempre com exercícios aplicados ao cliente.

Por que isso é importante?

Pessoas com deficiência

Segundo o IBGE (Censo 2010), o Brasil possui 46 milhões de pessoas com alguma deficiência intelectual, motora, visual ou auditiva, o equivalente a 24% da população – em 2000, essa parcela de brasileiros correspondia a apenas 14%.

Lei Brasileira da Inclusão (LBI)

Em janeiro de 2016 entrou em vigor a Lei nº 13.146, destinada a assegurar e promover em condições de igualdade, o exercício dos direitos e das liberdades fundamentais da pessoa com deficiência que se aplicam, entre outras coisas, ao acesso à cultura, à informação e à comunicação.

Público consumidor

Toda essa população é também consumidora. Só o mercado de bens e serviços de tecnologia assistiva tem faturamento anual de R$ 5,5 bilhões* e mostra que 42% desses consumidores são das classes A e B; 44% da classe C e 14% das classes D e E.

*fonte: Grupo Cipa Fiera Milano, responsável pela Feira Internacional de Tecnologias em Reabilitação, Inclusão e Acessibilidade

Barreiras Atitudinais

Apesar de muitas barreiras para a inclusão serem estruturais, a principal delas é referente à atitude. Entender e aceitar as diferenças é um caminho necessário e sem volta. Nesse contexto as marcas – e suas mensagens – podem atuar como agentes de transformação.

Nossa missão

O que queremos?

Garantir o empoderamento
Ampliar a representatividade
Promover a inclusão (social e econômica) de pessoas com deficiência
Por meio da criação de situações de consumo acessíveis: sejam elas de PRODUTOS, SERVIÇOS ou CONTEÚDO.

No que acreditamos?

Equidade

Equidade é uma palavra de origem latina (aequitas) e significa a persistente busca pela justiça que trate cada indivíduo segundo sua natureza particular. Como adjetivo, algo “equitativo”se refere ao que é justo, equivalente, imparcial e igual. Ou seja, garantir que todos os consumidores estejam contemplados e considerados com suas particularidades na hora de pensar em igualdade.

Igualdade: Embaixo de uma àrvore, três pessoas de estatura pequena, média e alta, tentam pegar maçãs. Todos possuem uma caixa de apoio. A pessoa alta e a média conseguem pegar maçãs, mas a pessoa baixa não consegue pois apenas uma caixa apoio não foi suficiente Equidade: Embaixo de uma àrvore, três pessoas de estatura pequena, média e alta, tentam pegar maçãs. A pessoa média está em cima de uma caixa de apoio, a pequena, com duas, e a pessoa alta não possui nenhuma caixa de apoio. Todos conseguem pegar maçãs.

Design Universal

O Design Universal – conceito cunhado por Ronald L. Mace (1985) - sustenta a ideia de projetar (ou no ingles, to design) produtos, serviços, ambientes e interfaces que possam ser usadas pelo maior número de pessoas possíveis , independentemente, de suas capacidades físico-motoras, idade ou habilidades. Mais do que um conceito, o design universal deve ser encarado como um processo a ser adotado em todas as etapas de desenvolvimento de um projeto, seja ele uma marca, produto, campanha, entre outros.

Nada sobre nós sem nós

Este lema, criado em 1962 nos EUA (Nothing About us, Without Us) é o princípio base de nosso trabalho. Todo e qualquer projeto desenvolvido pela Sondery terá a participação das pessoas a quem se destina nosso trabalho: as próprias pessoas com deficiência.

Conheça sobre quem estamos falando

Conheça nossas ideias e insights

Mas afinal, o que significa “Sondery”?

“Sonder” é o sentimento que se tem quando percebe que os outros são pessoas completas e complexas.

Nossos clientes

Logotipo da Young & Rubicam: As letras Y & R em caixa alta.
Logotipo da 99Jobs.com

Conheça nossa equipe

Publicitária e empreendedora, acredita que negócios e causas podem coexistir.

ANA CLARA SCHNEIDER Descrição da foto: em frente a uma parede de tijolos aparentes, uma mulher de cabelos curtos, castanhos e enrolados veste uma camiseta preta e um casaco azul marinho. Ela tem a pele branca, olhos castanhos e a boca vermelha. Está de braços cruzados na altura do peito e sorri.

Designer digital com foco em UX e acessibilidade digital

CAIO MIRANDA Descrição da foto: homem branco, cabelo médio castanho escuro enrolado, barba grande e castanho clara, está pintada com gliter amarelo. Está com um sorriso no rosto e veste uma camisa jeans.

Caio Miranda

Designer Digital